julho 3, 2022
Rua Cuiabá, 372, Centro - Camapuã/MS
Esporte

Rafael Ramos, do Corinthians, depõe ao STJD e volta a negar uso de termo racista a Edenilson

Lateral-direito do Corinthians , o português Rafael Ramos esteve no início da tarde desta terça-feira na sede do TJD (Tribunal de Justiça Desportiva) de São Paulo, dentro da Federação Paulista de Futebol, para prestar depoimentos sobre a denúncia de ofensas racistas feitas por Edenílson, do Internacional.

O interrogatório é parte de um expediente disciplinar em andamento no STJD (Superior Tribunal de Justiça Desportiva).

Ele esteve acompanhado do gerente de futebol Alessandro Nunes e de Daniel Bialski, advogado contratado pelo clube para conduzir a defesa do jogador na esfera desportiva. Fora do futebol, Bialski é bastante conhecido por advogar para a primeira-dama Michelle Bolsonaro.

Daniel Bialski, advogado de Rafael Ramos, lateral do Corinthians — Foto: Henrique Toth
Daniel Bialski, advogado de Rafael Ramos, lateral do Corinthians — Foto: Henrique Toth

Após o depoimento, o advogado afirmou à imprensa que Rafael Ramos, mais uma vez, negou ofensa racial a Edenílson, afirmando ter dito um palavrão: “Mano, caralho”.

O jogador também comentou que o termo acusado, “macaco”, não é utilizado em manifestações preconceituosas em Portugal, seu país.

– Uma coisa importante que ele disse hoje, que precisa ser muito ressaltada. É que em Portugal, conforme ele mencionou, não se faz esse tipo de comentário quando se quer falar algo preconceituoso, e ele desconhecia que isso era utilizado no Brasil – disse Bialski.

O advogado também contou que foi apresentado um laudo feito pela defesa, que um segundo será feito, e que declarações de colegas em defesa do lateral serão juntadas aos autos.

– Ele reafirmou o que já tinha dito várias vezes não somente no depoimento oficial que prestou em Porto Alegre, mas em todas as declarações, de que em momento algum ele ofendeu de forma racista o Edenílson.

O jogador pode ser enquadrado no artigo 243-G do Código Brasileiro de Justiça Desportiva (CBJD), que pune ato discriminatórios. A pena é de cinco a dez partidas, com multa que pode chegar a R$ 100 mil.

O inquérito, conduzido por Paulo Feuz, auditor do Pleno do STJD, também ouvirá a versão do meio-campista do Internacional, que prestará esclarecimentos no próximo dia 6. O Inter joga domingo em Bragança Paulista, contra o Internacional, e três dias depois vai a Santos enfrentar o Peixe.

O jogador do Corinthians se defende também na esfera criminal, em investigação conduzida pela Polícia Civil de Porto Alegre.

Leave feedback about this

  • Quality
  • Price
  • Service

PROS

+
Add Field

CONS

+
Add Field
Choose Image
Choose Video