julho 4, 2022
Rua Cuiabá, 372, Centro - Camapuã/MS
Politica

Lula tem esquema de segurança reforçado antes de PF começar a proteger candidatos

O esquema especial da Polícia Federal para proteger os candidatos a presidente da República ainda não entrou em funcionamento, mas o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) já teve o esquema de segurança reforçado recentemente.

Estratégia: Bolsonaro não quer briga com artistas

Alerta: PF vai dar nota de risco para medir segurança de Lula e Bolsonaro

Por ser ex-presidente, o petista já tem direito à segurança fornecida por uma equipe do Gabinete de Segurança Institucional (GSI) do Planalto.

Eleições 2022: Os artistas e a batalha eleitoral que Lula não ganha de Bolsonaro

Essa equipe intensificou o acompanhamento a Lula, até mesmo dentro de casa, depois de alguns episódios recentes – em Campinas (SP), manifestantes cercaram o carro do petista quando ele ia para um almoço; no Paraná, um deputado o ameaçou de morte.

Crise em Brasília: TSE teme ataque de “lobos solitários” contra ministros

O petista fica o menor período de tempo possível sozinho, e os seguranças estão sempre a alguns passos de distância. Deslocamentos longos passaram a ser desaconselhados e até o local para a gravação de vídeos do partido foi escolhido levando em conta os riscos para o ex-presidente.

Arena digital: Bolsonaro atropela Lula nas redes, mas é Doria quem apanha mais dos internautas

Em Juiz de Fora (MG), seguranças do ex-presidente alertaram o petista sobre a localização do palco, considerado baixo demais e próximo do público, o que o deixaria vulnerável. Mesmo assim, ele decidiu manter os planos.

A segurança do petista, que lidera as pesquisas, é também a principal preocupação da equipe da Polícia Federal responsável pela segurança dos candidatos à Presidência da República a partir de agosto.

Os combustíveis e a eleição: O número mágico de Arthur Lira (e do BTG) para a queda na inflação

Tal preocupação ficou evidente na reunião realizada nesta terça-feira (31) com os assessores dos principais candidatos, em que os representantes da Polícia Federal expuseram os detalhes do esquema.

Eleições 2022: De olho na rejeição, governo Bolsonaro envia maior parte do orçamento secreto ao Nordeste

A corporação anunciou que vai mobilizar cerca de 300 agentes, carros blindados e investir cerca de R$ 57 milhões e para garantir a segurança dos presidenciáveis.

Sob medida: Planalto inclui jabuti para atender Ciro Nogueira em decreto sobre Eletrobras

Para decidir como distribuir esse efetivo, a PF levará em consideração uma escala de riscos que vai de 1 (menor risco) a 5 (maior risco), elaborada de acordo com o risco de cada candidato e o risco de cada evento da agenda do presidenciável.

O risco do candidato envolve a projeção nacional, a situação nas pesquisas, a sua visibilidade e histórico de ameaças, por exemplo.

Tensão entre os poderes: Fachin alerta Pacheco sobre riscos de projeto que esvazia poder do TSE

Já o risco do evento diz respeito ao local onde vai ser realizada a agenda, a quantidade de pessoas esperada e o tipo de espaço que vai ser palco do compromisso – se é aberto, fechado.

Uma das principais preocupações é com os deslocamentos do petista pelo país e agendas que envolvam multidões, abrindo margem para o ataque de lobos solitários.

Ataques ao TSE: Generais demitidos por Bolsonaro descartam risco de golpe

O clima de polarização nas ruas, com protestos de militantes bolsonaristas nas imediações de eventos com Lula, é outra fonte de preocupação do partido.

Dentro do PT e da PF, há o temor de que o comportamento do petista – que gosta de aglomerações, de contato próximo com populares e de agendas improvisadas – crie vulnerabilidades na sua proteção pessoal em um ambiente marcado pela forte radicalização política e pela ameaça de extremistas nas redes sociais.

Comunicações: Elon Musk dá pistas de seu próximo negócio no Brasil

“Lula não saiu da toca ainda (em termos de eventos de campanha), e o sentimento antipetista ainda é muito forte. Está todo mundo preocupado com a militância de extrema direita”, disse uma fonte da Polícia Federal à coluna.

“O discurso de extrema esquerda gerou um Adélio Bispo (que esfaqueou Bolsonaro na campanha presidencial de 2018). O discurso de extrema direita pode gerar outro Adélio”, alertou.

Cruzada nos costumes: Bolsonaro quer barrar aborto no Brasil com posição da Suprema Corte dos EUA

Em 2018, a PF subestimou os riscos em torno da segurança dos presidenciáveis. Depois do atentado a Jair Bolsonaro, alvo de uma facada em Juiz de Fora, a corporação mudou a forma de encarar o problema, editou uma instrução normativa para definir diretrizes gerais e decidiu profissionalizar os quadros.

Um dos desafios vai ser compatibilizar o estilo de Lula – próximo das massas – com as questões de segurança. A atuação da PF é vista com ressalvas por integrantes do PT, que acusam a instituição de ter sido aparelhada por Bolsonaro.

Urnas eletrônicas: Fachin define futuro de comissão que deu munição a ataques de Bolsonaro

Apesar da preocupação da PF e do próprio PT, o casamento do petista com a socióloga Rosângela Silva no último dia 18, em São Paulo, ocorreu sem sobressaltos. Um pequeno grupo protestou em frente ao local, com gritos de “Pega ladrão” e “Cadê a Federal?”, mas nenhuma ameaça concreta foi detectada.

Leave feedback about this

  • Quality
  • Price
  • Service

PROS

+
Add Field

CONS

+
Add Field
Choose Image
Choose Video