julho 4, 2022
Rua Cuiabá, 372, Centro - Camapuã/MS
Esporte

Goleiro da Austrália já deu título dançando nos pênaltis e pensa em ser professor de escola primária

Desde que o técnico holandês Louis van Gaal trocou o goleiro Jasper Cillessen pelo reserva Tim Krul apenas para a decisão por pênaltis contra a Costa Rica, nas quartas de final da Copa do Mundo de 2014, no Brasil, a prática deixou de ser exatamente uma novidade. Mas a Austrália, do treinador Graham Arnold, conseguiu surpreender novamente nesta segunda-feira.

Ao substituir o titular Matthew Ryan no fim da prorrogação contra o Peru, no jogo que decidia vaga na Copa de 2022, o australiano Andrew Redmayne mostrou logo na primeira cobrança de pênaltis que tinha uma arma secreta: saltitar de um lado para o outro sobre a linha, balançando os braços e as pernas, para tentar desestabilizar os cobradores. Deu certo: pegou a sexta cobrança peruana e garantiu a vitória por 5 a 4 nos pênaltis, que classificou a Austrália para a Copa.

Sandro Meira Ricci vê irregularidade em movimento de goleiro da Austrália
Austrália está no Grupo D da Copa do Mundo; veja
O australiano Andrew Redmayne tira fotos com torcedores após classificar a Austrália para a Copa — Foto: KARIM

Um hábito que vem de longe, mas parece só aparecer nos momentos decisivos. Segundo o site de estatísticas Transfermarkt, o goleiro australiano defendeu apenas quatro pênaltis em 27 na carreira, contando apenas cobranças feitas durante as partidas.

Mas quando o assunto é decisão por pênaltis, Redmayne tem história. Em 2008, pegou três cobranças da Coreia do Sul na final e garantiu um título de um torneio sub-19 para a Austrália. Pelo Sydney FC, seu atual clube, a dancinha funcionou na decisão do Campeonato Australiano de 2019: Redmayne pegou duas cobranças contra o Perth Glory.

Goleiro dançarino da Austrália rende memes e cai nas graças até do Ceará

Goleiro quase parou em 2016 para virar professor
Redmayne, de 33 anos, é um herói tardio da Austrália. No fim de 2016, com poucas chances no Western Sydney, ele pensou até mesmo em encerrar a carreira e estudar para ser professor primário. Desde então ele se prepara para assumir esse papel assim que pendurar as luvas. Ele faz cursos da PFA, a associação dos jogadores profissionais do país.

Em entrevista à Fox Sports da Austrália em 2018, Redmayne diz que vem de uma família de professores, e isso o incentiva a seguir o caminho.

– Posso me ver em uma sala de aula e sendo professor, mas também gostaria de me ver assumindo um papel organizacional e de saúde nas escolas primárias, porque acho que esse é um problema crescente na sociedade – comentou o goleiro.

Andrew só chegou à seleção principal em 2019, e até entrar no lugar de Ryan nesta segunda-feira tinha feito apenas duas partidas na equipe nacional.

E mesmo no grande jogo da sua carreira, a dança de Redmayne demorou para dar certo, e poderia ter virado motivo de chacota mundial. O goleiro peruano Gallese defendeu logo o primeiro pênalti australiano, de Boyle. Lapadula e Callens não caíram na dancinha de Redmayne e marcaram para o Peru. Mas Advíncula, influenciado ou não pelos pulos do goleiro, acertou a trave na terceira cobrança.

A partir dali, todos acertaram suas penalidades, incluindo os peruano Tapia e Flores, deixando os pulinhos de Redmayne sem muito sentido. Até que o camisa 12 da Austrália saltou, pulou, mexeu os braços e pegou a cobrança de Alex Varela, tornando-se herói da classificação dos Socceroos para seu sexto Mundial.

Leave feedback about this

  • Quality
  • Price
  • Service

PROS

+
Add Field

CONS

+
Add Field
Choose Image
Choose Video