Início Sem categoria Webinário Sul-mato-grossense de Covid-19 é aberto com mais de 700 inscritos

Webinário Sul-mato-grossense de Covid-19 é aberto com mais de 700 inscritos

30
0
COMPARTILHAR

Oito meses de intensa e ininterruptas pesquisas e ações, em diversas frente de enfrentamento à , produziram importantes desdobramentos para a saúde pública e a Ciência no estado, com implicações nacionais e internacionais. Resultados preliminares dos estudos sobre a pandemia, desenvolvidos por pesquisadores de , são parte dos temas que serão apresentados até sábado (14) no Webinário Sul-mato-grossense de , aberto na tarde de hoje, com mais de 700 inscritos.

Realizado pela UFMS e pela Secretaria de Estado de Saúde de  (SES), o Webinário reúne gestores municipais e estaduais, além de pesquisadores e professores da UFMS e outros centros renomados de pesquisa.

“Essa é uma iniciativa de um grupo de profissionais, pesquisadores, professores, que estão envolvidos na assistência, na pesquisa, alguns na extensão e que são representantes de diferentes instituições: UFMS, SES, UEMS, Fiocruz, Sesau, Hospital Regional e Hospital Universitário. Conseguimos reunir 31 pesquisadores para discutir variados temas, que têm como principal proposta apresentar os resultados parciais de nossas pesquisas de Covid, que estão acontecendo na Faculdade de Medicina via pós-graduação“, diz Sandra Leone, coordenadora do webinário pela UFMS.

Desde março deste ano, foram realizados mais de 16 mil exames laboratoriais de detecção da , com cerca de R$ 10 milhões em recursos externos, que levaram a ações com a estruturação do Laboratório de Campanha (Labcamp), onde foram atendidos mais de 600 profissionais de saúde, entre outros.

Os trabalhos envolveram 32 alunos de graduação dos cursos de Enfermagem, Biologia, Farmácia, Medicina, Odontologia, Biomedicina, alguns de outras universidades, mais de 20 alunos de pós-graduação, de diferentes institutos e laboratórios, além de dezenas de docentes e profissionais de saúde, tendo sido fundamental também, segundo a coordenadora, a parceria com o Laboratório Central de Saúde Pública (Lacen).

“Agora, associados a esses projetos que desenvolvemos, temos os de vacina coordenados pela professora Ana Lúcia Lyrio de Oliveira e pelo professor Júlio Croda, que além de tudo o mais que conseguimos apresentar, nos coloca no cenário nacional e no internacional, propondo soluções a longo prazo”, completa Sônia.

De uma forma surpreendente, diz a coordenadora, foi possível integrar ensino, pesquisa e extensão, mesmo em tempo de pandemia. “Com certeza fizemos a diferença e para que tudo isso ocorresse, precisamos agradecer aos nossos gestores pela competência técnica, empreendedorismo, pela força com que nos apoiaram”.

Para a secretaria adjunta da SES, Crhistinne Cavalheiro Maymone Gonçalves, sem trabalho em rede é impossível alcançar resultados, principalmente salvando vidas.

“Somos muito mais fortes juntos. Compreendemos o quanto é importante a Ciência e a pesquisa, em qualquer dimensão, para a tomada de cada decisão, que deve ser feita em cima de evidencias cientificas A conquista é de todos e faço um agradecimento especial a disponibilidade de toda a equipe que esteve conosco”, afirma Crhistinne.

Sem ciência e governança nenhuma política pública consegue ter resultados, expõe o reitor da UFMS, Marcelo Turine, na abertura do Webinário. “Não estávamos preparados, o mundo não estava, não tínhamos receita, fórmula, fomos construindo com a ajuda da Ciência para termos resultados importantes. É um processo da Educação, em que a  teve um destaque nacional e internacional. Tivemos de ter a pandemia para vermos o quanto é importante trabalhar em rede. Com recursos compartilhados, movimentamos no estado universidades, pesquisadores, gestores e de forma transversal construímos várias pontes de políticas públicas”.

A palestra de abertura foi feita pelo diretor médico de pesquisa pública do Instituo Butantan, Ricardo Palacios Gomez, que falou sobre o tema “Vacinas: perspectivas e desafios”.

“Temos neste momento mais de 200 candidatos à vacina. A boa notícia é que o mais provável é que todos funcionem – o alvo não é tão difícil. Mas o problema é quanto dura e quanto que funciona. E outro quesito importante é a segurança da vacina”, afirma.

Estarão em pauta nos próximos dias assuntos como gestão e vigilância em saúde, resultados de projetos de bancada relacionados à biologia molecular, testes sorológicos e diagnósticos direcionados ao novo coronavírus, dilemas da participação social indígena, saúde prisional, entre muitos outros destaques.

O Webinário tem ainda a parceria dos programas de pós-graduação em Doenças Infecciosas e Parasitárias, da Faculdade de Medicina, em Saúde da Família e Enfermagem, do Instituto Integrado de Saúde, além dos cursos de graduação em Medicina e Ciências Biológicas. E o apoio da Fundação de Apoio à Cultura e Ensino, Secretaria Municipal de Saúde, Fundação Osvaldo Cruz, Escola de Saúde Pública Dr. Jorge David Nasser, Telessaúde MS, Programa Nacional de Reorientação da Formação Profissional em Saúde e  Estadual de (Informações da assesoria)